JESUS O MESTRE POR EXCELÊNCIA

08/7/16

Texto: Lucas 13:22-28

Depois Jesus foi pelas cidades e povoados e ensinava, prosseguindo em direção a Jerusalém. 

I - JESUS NOS ENSINA A MANTER O FOCO AJUSTADO.

Jesus nos ensina não apenas através do que diz, como também através do que faz. 

Lidar com a solidão que a morte proporciona não é algo fácil para ninguém, nem para Jesus. 

Jesus sabia que a morte não poderia abraçá-lo sem seu consentimento, visto que a morte exerce poder apenas sobre aqueles que se submeteram, antes, ao pecado. A morte é um efeito colateral que se abate sobre todos os pecadores. Como Jesus não pecou é fácil entender a razão pela qual sua vida não poderia ser-lhe tirada, logo para cumprir o propósito de sua vinda, ele precisava oferecê-la.

“Por isso é que meu Pai me ama, porque eu dou a minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou por minha espontânea vontade. Tenho autoridade para dá-la e para retomá-la. Esta ordem recebi de meu Pai". João 10:17-18

A expectativa da morte não afastava a Jesus de sua missão. Apesar de caminhar para Jerusalém e saber o que lhe aguardava, ele mantinha-se com a motivação correta e o foco ajustado. 

Em toda a trajetória ministerial de Jesus percebe-se situações e pessoas conspirando para demovê-lo do resoluto intento de morrer. 

Amigos: Pedro - Desde aquele momento Jesus começou a explicar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia. Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: "Nunca, Senhor! Isso nunca te acontecerá! " Jesus virou-se e disse a Pedro: "Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens". Mateus 16:21-23

Satanás: Se tu és o Filho de Deus... Mateus 4.

Até mesmo as circunstâncias podem contribuir para a perda de objetividade. Um conforto imediato pode substituir uma vitória futura. Talvez você conheça o estudante que tinha como objetivo na vida ser um homem de bem, mas ao se deparar com as facilidades que as falcatruas proporcionam, deixou-se levar pela ampliação da sua zona de conforto abrindo mão daquele objetivo tão digno de se viver.

Manter o foco exige disciplina e objetividade. Rejeitamos a disciplina porque ela causa desgastes, já a objetividade exige compromissos.

Em qualquer situação é muito importante manter o foco, e pra isso é necessário saber onde se quer chegar, pois quem não sabe onde quer chegar qualquer caminho lhe serve. Jesus sabia onde queria chegar e sabia que o tempo era chegado.

II – JESUS NOS ENSINA QUE O PRATICANTE DA INIQUIDADE É UM DESCONHECIDO PARA DEUS.

"Ele, porém, responderá: ‘Não os conheço, nem sei de onde são vocês’. Afastem-se de mim, todos vocês, que praticam o mal!

Jesus não está se referindo ao pecador fortuito e acidental. Jesus se dirige ao praticante religioso que acredita poder usufruir das riquezas eternas por ter feito algo para Deus. 

Nenhum ato aparente de bondade se desdobrará em favor de uma alma que nunca se voltou para Cristo mediante a fé e o arrependimento.

É possível que em praticando o bem o homem termine por praticar o mal? Sim. Como? No julgamento de Deus há instancias que muitos desprezam e exigências que os homens não fazem. Para nós, a aparência é a régua de todas as coisas. Para Deus, a razão, a essência, a motivação correta é mais importante até que o resultado obtido.

Quem assim procede, ou seja, faz coisas boas com intenções erradas, pratica o mal contra si e contra seu semelhante. Deus não conhece tais pessoas e nem se relaciona com elas. Suas orações não fazem tinir as cerdas auditivas dos ouvidos de Cristo, Nosso Senhor.

III – JESUS NOS ENSINA QUE A LÓGICA DO REINO É REGIDA POR PADRÕES QUE A LÓGICA HUMANA DESCONHECE.

Pessoas virão do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e ocuparão os seus lugares à mesa no Reino de Deus. De fato, há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos".

As portas do Reino de Deus se abriram para outros porque os convidados (judeus) menosprezaram o convite do grande Rei.

Não deveríamos nós, dia após dia, louvarmos a Deus por tamanha graça?

Jesus respondeu: "Certo homem estava preparando um grande banquete e convidou muitas pessoas. Na hora de começar, enviou seu servo para dizer aos que haviam sido convidados: ‘Venham, pois tudo já está pronto’. "Mas eles começaram, um por um, a apresentar desculpas. O primeiro disse: ‘Acabei de comprar uma propriedade, e preciso ir vê-la. Por favor, desculpe-me’. "Outro disse: ‘Acabei de comprar cinco juntas de bois e estou indo experimentá-las. Por favor, desculpe-me’ "Ainda outro disse: ‘Acabo de me casar, por isso não posso ir’. "O servo voltou e relatou isso ao seu senhor. Então o dono da casa irou-se e ordenou ao seu servo: ‘Vá rapidamente para as ruas e becos da cidade e traga os pobres, os aleijados, os cegos e os mancos’. "Disse o servo: ‘O que o senhor ordenou foi feito, e ainda há lugar’. "Então o senhor disse ao servo: ‘Vá pelos caminhos e valados e obrigue-os a entrar, para que a minha casa fique cheia. Eu lhes digo: nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete’ ". Lucas 14:16-24 

A lógica do Reino é assim: quando o convidado de honra (judeu) menospreza o convite que Deus lhe faz, então o convite é direcionado a todos (gentio) os que estão nas ruas e nos becos desta vida a fim de que a mesa posta não seja desonrada.

PORFIAI POR ENTRAR PELA PORTA ESTREITA – Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas. João 10:7 - Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. João 10:9

Pr. Isaias Silva

Compartilhar: